3° Encontro – Jornada da Escuta

que encontro legal! fui atravessada por muitas coisas e as coloco aqui do jeito que tô conseguindo organizar agora:

Palavras, ouvidas ou lidas, criam imagens na mente. Palavras só podem dar uma ideia, e uma ideia não é a experiência. Somos o poder de perceber e agir por trás e além dessas imagens, palavras são flechas que apontam pra coisas. Palavras não são as coisas. Palavras descrevem ou distorcem, mas sempre apontam para o interior das coisas. É preciso olhar, não a flecha, mas esse interior que ela aponta. Seguir o trajeto da flecha para ver onde ela nos leva.

Observar a si mesmo ao mesmo tempo que se vive Vigiar-se e ser espontâneo, é possível? Me lembrei da natureza da luz, que qdo observada de um lado se comporta como partículas, se observada de outro se comporta como ondas. Não seria assim qdo tento me “vigiar” para evitar dizer certas coisas? Coisas que acho que podem afetar o outro? Mas é possível afetar o outro com palavras? Ou é o outro que se afeta por si só? Mediar o próprio eu, controlando as palavras, controlando o que é dito, não seria uma maneira de embelezar? De interromper o fluxo interno do que quer sair? Quer falar… e falar…. mas tá preparado para ouvir?

Por que não consigo falar?

1- Pq tenho expectativas e projeções em relação as pessoas;
2- Pq sou insegura comigo mesma, e tb pq não tenho clareza da minha verdadeira intenção;
3- Pq espero ser compreendia sem precisar expressar minhas necessidades.

são muitas camadas.
mas nem tudo que é dito é falado.
forma e conteúdo. eu tento manipular a forma pra mascarar o conteúdo? é por isso que é mais fácil atacar o jeito que o outro fala? assim evito ter contato com o conteúdo que é dito, atacando a forma como é dita?

o importante é deixar vir, do jeito que vier, e se tiver que vir… que venha. ou não venha. no mundo encontrará uma linguagem…

e se não encontra, se cria linguagem!
acho que foi assim que com 11 anos fui parar no teatro. forma de dizer o que não se sabe dizer, mas que precisa ser expresso. existir e falar tem uma relação intima, ao que parece. mas não se fala só com palavras, Aléxia!
existir tb é se expressar no mundo do jeito que dá. existe uma necessidade de expressão aqui dentro. às vezes quer sair como palavras. às vezes quer sair como dança. outras vezes quer sair como poesia… silêncio.

expressões do ser que buscam linguagens para existir! forma é tb conteúdo.
algo pulsa tão forte aqui dentro que quer sair, quer ir na direção do outro, quer amar o outro, quer tocar o corpo do outro e ser tocado, no mais íntimo contato que a carne permite. o desejo erótico fala de algo que pulsa forte e só sabe ser dito assim, sem ninguém entender bem sua lógica. mesmo longe o desejo existe. o que sei é que esse algo é tão forte que não à toa é daí tb que a vida surge, o método pelo qual nascem os filhos e a espécie continua…
e a gente vai dando nome pra isso. ora solidão, ora já é namoro, noivado, ora casamento… família.
vamos rotulando, e depois fica difícil mesmo dizer se sou solteiro ou divorciado, e se isso vai gerar, ou não, estranheza no outro que me ouve tentando dizer o que não sei bem expressar.

ai ai, de ser em ser, de família em família, com os amigos (como esse encontro de hj a tarde) a gente vai seguindo a vida olhando junto pras coisas, é mais legal. dá paz no coração. não precisamos seguir sozinhos.

se não se expressa a sensação é que não tá existindo!
formas de manifestar o imanifesto…
… do corpo.
… do pensamento.
…. do seres!

seres atravessados por tantas coisas, tantas imagens, tantas ideias, tantos desejos…






4+

Fala ai!

Hoje tinhamos como tema de pesquisa: pq não falo…pq não consigo falar…algo assim
E me veio alguma coisa com as palavras… INTIMIDADE, AMBIENTE (CONSTRAGER) FILTRO DE NECESSIDADE,


A intimidade seria o quão confortavel eu me sinto com certa pessoa, tem pessoas que conheço a muito tempo que não tenho intimidade e tem pessoas que conheço a pouco tempo e já criei uma boa intimidade. Perto de pessoas mais intimas creio que naturalmente me deixo ser mais eu, não vejo muitas barreiras na comunicação e costumo falar tudo que penso, e quando vejo que aparece alguma barreira (que seria por exemplo o pensamento de que posso machucar o outro com o que vou dizer) pergunto se a minha opnião, o meu pensamento é algo que ela(e) quer ouvir ou não, nesse momento estou a vontade pra colocar pra fora e também para guardar meu pensamento pra mim.

O ambiente influencia pela questão do poder constranger alguém ou ficar ocnstrangido… quando está apenas voce e a pessoa com quem está conversando é uma coisa, quando voce está conversando com alguém e existem mais pessoas no local, são mais opniões sendo construidas a respeito da sua fala, são varias interpretações e isso em alguns momentos pode sim ser algo que talvez acabe me impedindo de falar

E envolvendo tudo isso está o filtro da necessidade, será que é realmente necessario eu falar o que esotu pensando? Será que precisa ser agora?

Sinto logo existo – Penso logo falo? Acho q isso é algo legal de se pensar.. porque uma coisa é você não falar por medos e barreiras outra é apenas não falar porque talvez não fosse necessário, nem pra vc nem pra pessoa…Falar tudo é muito legal… mas melhor ainda é Falar o que vai te fazer bem que seja dito.

Nem tudo precisa ser dito na hora que é pensado, afinal sabemos que a primeira coisa que vem quase nunca é o que realmente é

mas NADA pode ficar dentro se dá voltade de por pra fora

ta tudo bem eu ter momentos em que quero falar e momentos em que quero fica quietinha.. o importante é eu estar confortavél e em paz do jeito que estou


5+