Relato Naikan 15-11-2018  

  1. As minhas motivações
    Os desentendimentos e frustrações foram a identificação do momento certo de fazer o Naikan. O método já era conhecido por mim de forma superficial, foi uma indicação de Eraldo mesmo antes de eu ter feito o seminário.
  2. Coisas que pensei, percebi, refleti sobre mim durante a semana do Naikan,
    Percebi  a forma reativa de lidar com os com as situações. Estou no modo automático,  sem colocar consciência nas ações. A investigação durante a semana o me fez identificar padrões de comportamento de auto-defesa, que foram muito prejudicados para situações de problemas. Estes comportamentos afastaram o amparo, o consolo e a solidariedade das pessoas amadas do meu currículo próximo. Durante a semana, os temas objetivos trouxeram lembranças e cura para mágoas e dívidas do passado, e  um convite para investigar fatos paralelos em uma nova abordagem de Naikan. Outra pista sobre um comportamento repetitivo, este autossabotagem, aparece em frequentes episódios relatados durante semana. Sentimentos que conflita diretamente na busca do “Ser Feliz”. Ser feliz integralmente, incondicionalmente, exige que esses mecanismos sejam identificados e bem entendidos. Sem a investigação profunda do “Eu”, estes padrões continuam famintos e prontos para atacar.
  3. Daqui para frente trago a esperança de colocar a consciência em minhas ações. Estarei trabalhando para interpretar o sentimento do outro e ser sensível às condições e limitações que absorvemos ao longo da vida. Insistirei para que minha companheira investigue pelo pelo método para que possamos contribuir para a educação de nossos filhos.

Deixe um comentário