Impressões Naikan 02/07 a 07/07

A motivação de ter participado ao naikan foi porque quis conhecer em que situações apareceram os sentimentos desconfiança, inferioridade, superioridade, medo, insegurança. Esses eram sentimentos que não estavam claros para mim,  no dia-a-dia eu sentia apenas de forma indistinta de onde vinha. Observava em mim este estado de coração após ter participado no curso para realizar o uno.

Na rotina diária da Academy me percebia que estava me repreendendo a mim, repreendendo a mim dizendo “eu não posso ter esse sentimento” quando tinha sentimentos que não eram confortáveis (medo, insegurança, reações). Acho que tinha um lado de queria ter uma capacidade melhor para me ver objetivamente.

No começo dormia 30 minutos depois de me concentrar por 10 minutos… Mesmo dormindo quase o dia inteiro (e a noite também)  não era o suficiente. É um curso que me dava um bom tempo de sono. Recomendo para quem quiser um bom sono (ops, isso não era principal). Depois de repetir a concentrar e concentrar acho que esse tempo se estendia, mas ainda vou para outros pensamentos. Tinha momentos que não conseguia lembrar mesmo concentrado. Acho houve uma diferença entre tenso ou não…

 

 

De qualquer forma o conteúdo principal fica abaixo.

O que fiz Naikan foi:
Mãe->Pai->Escola e empresa->Mentiras e disfarces->Sentimento de Inferioridade e superioridade-> O que recebi-> Mãe

De modo geral acho que estava tenso até o fim de que queria e devo lembrar de tudo o que recebi.

Quando me pesquisava a mim em relação a minha mãe, me vi aos 10 anos ouvindo de uma pessoa me julgando por estar tomando banho com a minha mãe, então comecei a pensar a não buscar afeto(na verdade só estava tomando essas atitudes quando tinha alguém por perto). Lá estava o Leo deturpando seus sentimentos e suas vontades. Só que na verdade querendo um abraço da minha mãe (Não percebia que queria o abraço, pois os pensamentos de insegurança de ser julgado era maior).

Foi divertido também por enxergar as tendências e hábitos do meu pensamento no tema mentiras e disfarces.
Quando estive no japão aos 13 anos, estudei na escola do japão, e no meu último dia da escola ouvi dizer por um amigo que um outro amigo queria conversar comigo. Estava no meio do caminho de ir embora e o amigo que queria conversar estava na escola. O que eu disse na hora foi “vou voltar a escola e conversar? Muito trampo para voltar, não vou” fingi que nada aconteceu e fui embora. “Muito trampo pra voltar” foi só uma justificativa para mostrar para pessoa que me contou que não levo muito peso ao outro amigo, e também tinha pensamento que era coisa de desesperado por amizade e era  deselegante  ter atitudes de voltar para conversar querendo uma relação com pessoas, isso tudo acreditando piamente que a pessoa que contou também me julgaria dessa forma se voltar, e no fim eu disse: -É muito trampo.
Ao refletir o real sentimento, queria conversar. Quero saber o que esse amigo
queria falar para mim. Estou arrependido.

Me encontro o eu que teme em ser julgado, achando que encontrar com pessoa por minha vontade, ou manter um relacionamento de amizade, bom relacionamento com os pais por minha vontade é mesma coisa que buscar afeto (isso é deselegante).
Vim mantendo uma certa distância com pessoas para não me ferir.

Ouvi que o Naikan era trazer à tona o inconsciente para o consciente. Era um trabalho bem divertido.

Tive a sensação de realmente estava conectado ao mundo o que recebi de cada pessoa, de cada acontecimentos, quando pesquisei o que recebi.
Até achei que iria me iluminar. Quando achei iria iluminar perdi toda a sensação.

Desta vez realmente vi a importância do Naikan para conhecer o real, o fato.
Quanto mais conhece o real, o fato de quanto recebi até chegar até aqui, os sentimentos de insegurança, raiva, maus sentimentos ficam pequenos. A consciência do “Eu” também fica menor.
Tive a real sensação do mecanismo do ScienZ method do processo de focar no coração original uno e meu.

Deixe um comentário