Diálogos de quarentena, ep.2

Mari, Julia e Pedro na cozinha, tomando café:

M- Faz uns dois dias que eu não tomo banho

J- To sabendo haha nessa casa não se escova os dentes, não se toma banho..

P- Eu tomei ontem à noite!

M- Mas você tomou no nosso banheiro ou no do Rafa?

P- No nosso

M- Atá

J- Não sei como vocês conseguem ficar com um chuveiro que não funciona direito e não fazer nada pra arrumar

P- Nós tentamos arrumar

J- Qual é o problema então?

M- A fiação

P- Não acredito que você vai falar de novo que é a fiação! Quantas vezes já disse que não tem nada a ver?

J- Na minha casa tinha um chuveiro que não funcionava e no fim era a fiação mesmo, as maritacas comeram o fio

P- Mas aqui não é isso, porque a voltagem chega no chuveiro, a gente mediu

J- Se não é a fiação é o que então?

M- Deve ser o chuveiro

J- Então é só trocar

P- A gente comprou um novo, mas dês que foi instalado não tem funcionado direito

M- Eu preferia que você tivesse recebido o eletricista aquele dia

P- Eu tava trabalhando

M- Eu sei, é que não fiquei confortável em receber ele aqui em casa sozinha, talvez se você tivesse recebido teria entendido o que aconteceu

P- É porque você não ficou vendo ele instalar..

Pedro sai da cozinha

M- Pro Pedro tudo o que eu faço tá errado e tudo o que ele faz tá certo. Estou cansada disso

J- O Rafael também é assim, fica irritado comigo por qualquer coisa

M- Maior exagero

Terminamos o café, a Ju está lavando a louça e eu, que estava chateada com o Pedro, fui falar com ele:

M- Acho que as coisas não estão boas, mas também não sei o que fazer pra melhorar

P- Você ficou chateada com o que eu falei do chuveiro?

M- Fiquei. Se você sabe tanto, por que não resolve?

P- Você também sabe

M- Você poderia admitir pelo menos uma vez que a responsabilidade é sua ao invés de jogar pra mim?

P- Mas a responsabilidade é sua também

M- Acho que não vamos nos entender assim

P- O que você quer que eu faça?

M- Quero que você seja mais permeável

P- Só se eu não te conhecesse

M- Como assim?

P- Se eu não te conhecesse ia tentar entender o que você quer dizer, mas eu já sei o que você quer dizer

M- Se você já sabe, então a gente estaria conseguindo se entender super bem, mas não é isso que está acontecendo né? Ao contrário, estamos emperrados

P- Verdade, o chuveiro é a prova de que tá emperrado mesmo

M- Pois é! Por isso acho importante a gente entender por quê. Na reunião vai dar pra ver isso melhor…

P- Era pra ter tido reunião ontem, mas ninguém lembrou disso. E acho que vocês vão esquecer da faxina também

M- Mas a faxina tá combinada, vai ser amanhã.

P- Tá, quero ver

M- Bom, eu vou indo, só vim aqui pra dizer como eu tava me sentindo. E do seu lado, como é?

P- Como é o que, não entendi

M- Eu to achando que nossa relação tá bem bosta, isso me incomoda. Pra você tá tudo bem?

P- Pra mim sim, eu só quero que você faça as coisas que tem que fazer

M- Entendi

P- É que eu não espero nada de você, o que vier eu aproveito do jeito que é

M- Então pra você tanto faz, é indiferente

P- Pra mim a prioridade é fazer as coisas da casa e se fazendo isso a gente se der bem, maravilha. Igual no trabalho, não estou lá para fazer amizade, mas se de repente rolar vou aproveitar

M- Pra mim a amizade é o principal

P- Por isso que seu jeito me irrita tanto. Você tá bem ai de pé, não quer sentar?

M- Quero.

P- Então, pra você basta eu te agradar que tá tudo resolvido

M- Isso mesmo!

P- Se eu te tratar bem você vai fazer o que eu quiser

M- Possivelmente

P- Que bobagem!!

M- É né haha

P- Bom, eu não sei ficar agradando, ainda mais quem eu tenho intimidade

M- Não é estranho isso? A gente trata mal quem a gente tem intimidade

P- É bem estranho mesmo

M- Mas é muito bom poder ser honesto

P- Na rua a gente tem que ser legal pra poder se vender por aí

M- É bom chegar em casa e não precisar se esforçar pra ser “educado”

P- É mesmo

M- Achei interessante seu jeito de pensar, nunca tinha pensado assim

P- Percebi! rs

M- Você não coloca o foco nas relações, então deixa livre pra serem o que for

P- Isso mesmo

M- Pra mim o foco é sempre as relações

P- Por isso que você não consegue fazer o que precisa fazer quando as coisas não vão bem

M- Verdade

P- Me incomoda você ser assim

M- Sabe que já me senti incomodada por minha mãe ser assim? Quando ela tinha uma loja, contratou mais de uma pessoa pra “ser legal”. Uma sumiu, a outra roubou o caixa, e ela ficou super frustrada. Não ligava pra loja, mas queria ter recebido algo em troca, queria a amizade… e é assim com tudo.

P- Esse negócio de ter que dar algo em troca não tem nada ver. Já aconteceu de uma pessoa falar umonte de coisas que ela fez por mim e eu não lembrava o que eu tinha feito por ela, porque não fico contando essas coisas. Tem que fazer e esquecer

M- Naquele texto que eu tava lendo, falava que o trabalho do cuidado, quando bem feito, passa despercebido. Só vamos perceber quando falta.

P- É o trabalho ingrato da mãe

M- É tão necessário, tão elementar, que passa despercebido

P- O problema é que não dá pra trocar uma atitude por outra – fez comida por isso vou levar pra assistir um filme – não vai substituir nunca

M- Deixa de ser cuidado quando é troca

P- Não deixa de ser cuidado, só não dá pra trocar mesmo! Nem as mercadorias dá pra trocar, mas fazemos isso o tempo todo..

M- É incrível como a gente parece que vai se matar e de repente cai umonte de fichas. Deu pra sacar que cada um tá colocando o foco num lugar diferente. Se você não fosse tão chato não teria percebido isso…

P- De nada

M- Besta! rss

P- Se você não é honesto é porque você tá manipulando a situação. Você tem que falar o que pensa! Ou então você só observa a outra pessoa e joga com isso pro seu interesse. Como achar que o outro é cabeça dura e pensar “ele é assim” e começar a agir a partir disso.

M- Fazer a contabilidade

P- Isso

M- É.. foi dahora

P- Obrigado pelo cuidado de ter vindo falar comigo

Deixe um comentário