dia 31 – 4/12 programa de estágio método scienz

ポルトガル語と

Ontem o Takemoto san trouxe uma folha com um
a planilha, pedindo para anotar durante a semana as minhas condições de saúde (febre, dores, etc.), para entregar na recepção do Curso para realizar o UM no dia 19.
Hoje de manhã acordei com a cabeça pesada, pensei que foi de não ter dormido muito bem nas últimas duas noites. É um tipo de dor de cabeça que eu tenho as vezes.
Eu senti resistência de anotar na folha que eu senti dor de cabeça.
Porque será?
Coloquei isso na reunião dos kenshuusei.
Reações minhas:
– Por um lado pensei que essa dor de cabeça não era uma dor de cabeça de gripe (tipo influenza, covid-19), mas algo que eu tenho de vez em quando. Mas como eu posso saber se a causa dessa dor de hoje realmente é a falta de dormir? Não tenho como falar “Por causa disso é aquilo”.
– Pensei também que eu não queria preocupar as pessoas, se eu anotar “dor de cabeça” de repente poderia causar dúvidas, etc.
Eu percebi que no fundo não estava realmente aberta para me mostrar honestamente, sem mentiras e disfarçes. Eu estava pensando que “eu sei como lidar com essa situação”, “eu sei melhor o que está acontecendo comigo”.
– No meio desse “anoto ou não anoto?” percebi também como eu tinha perdido de vista o desejo das pessoas que trouxeram a folha para mim. As pessoas querem saber como estou para tomar a melhor decisão para mim e para todos. Porque será que eu tento esconder algo?
– Tem algo bem forte de querer me mostrar “sem nenhum defeito”? É uma manifestação do estado de alerta em relação às outras pessoas?
– Quando não falei para o Diego que estava com dor de cabeça e queria sair do bentouya dentro do horário combinado, mas falei que estava com varías reuniões durante o dia, acho que é a mesma tendência de achar que eu tenho que fazer as coisas direito, sem defeito. Eu acho difícil falar “eu quero ir embora descansar porque estou com dor de cabeça” e ao contrário disso, eu acho fácil falar “Eu quero vir trabalhar”. As duas coisas são desejos meus, porque eu coloco esses valores diferentes em cima deles?
Eu quero cada vez mais perceber o que me faz mentir e disfarçar. Eu quero realmente não ter que mais me preocupar com as minhas coisas sozinha, tomando decisões baseadas somente na minha limitada visão, de certa forma fazendo uso de me mesma sem carinho e atenção. O jeito é de colocar qualquer coisa sem mentiras e disfarçes, com o desejo de deixar por conta qualquer coisa, para as outras pessoas, para a sociedade.

英語
Yesterday Takemoto san brought a paper with a plan, asking me to write down during the week my health conditions (fever, pains, etc.), to hand it in at the reception of the Hitotsu wo jitsugen suru tame n Course on the 19th.
This morning I woke up with a heavy head, I thought it was from not having slept very well in the last two nights. It’s a kind of headache I get sometimes.
I felt resistant to write on the sheet that I felt headache.
I wonder why.
I put it in the kenshuusei meeting.
My reactions:
– On one side, I thought this headache wasn’t a flu headache (like influenza, covid-19), but something I get from time to time. But how can I know if the cause of this pain today is really the lack of sleep? I can’t say “Because of this happens that”.
– I also thought I didn’t want to worry people, if I write down “headache” all of a sudden it could cause doubts, etc.
I realized that deep down I wasn’t really open to show myself honestly, without lies and dissimulations. I was thinking, “I know how to deal with this situation,” “I know better what’s happening to me”.
– In the middle of this “do I write it down or not?” I also realized how I had lost sight of the desire of the people who brought the sheet to me. People want to know how I am to make the best decision for me and for everyone. Why do I try to hide something?
– Do I have something very strong of wanting to show me “without any defects”? Is it a manifestation of the state of alertness towards other people?
– When I didn’t tell Diego that I had a headache and wanted to get out of the bentouya on time, but I told him I had several meetings during the day, I think it’s the same tendency to think I have to do things right, without any faults. I find it difficult to say “I want to leave and rest because I have a headache,” and unlike that, I find it easy to say “I want to come to work”. Both things are my wishes, why do I put these different values on top of them?
I want more and more to understand what makes me lie and hide. I really don’t want to have to worry about my own things anymore, making decisions based only on my limited vision, in a way making use of myself without affection and attention. The way is to put everything without lies and dissimulations, with the desire to leave whatever it is up to the others, up to the society.

0

Curso lendo o livro ScienZ n 6: Revolução da inteligência humana,  Para a Próxima Sociedade

Curso lendo o livro ScienZ n 6:

Revolução da inteligência humana,
Para a Próxima Sociedade
Origem dos conflitos
Foi a primeira vez que fiz a tradução do termo 心理的圧迫(shinriteki appaku) para o português: pressão psicológica, e pesquisei o conteúdo a partir deste termo. Foi quando percebi quanto que o termo é assertivo. Na sociedade atual o método que se usa para resolver os conflitos (regras, leis, direitos e deveres), ou os métodos que se usam a fim de tornar a sociedade melhor (moral, educação), na verdade parece que acabam se tornando a origem dos conflitos e problemas da sociedade. O que se usa pretendendo deixar a sociedade melhor acaba sendo a origem dos seus problemas. Acho que se pode dizer que a pressão psicológica que se faz sobre os seres humanos é a origem do estado do coração doente das pessoas. O precisar se adequar, seguir as regras, fazer o bom para ser aceito, ter isso ter aquilo, não poder isso e não poder aquilo, essa pressão psicológica acaba sendo a origem dos conflitos e do estado doente do coração nas pessoas. Não existe isso na natureza.
A verdadeira natureza humana
O foco está indo para entender a verdade/realidade?
Quando digo que quero caminhar no sentido de um “coração saudável”, será o “coração saudável” que minha mente imagina ou estou buscando o “coração saudável” da verdade/ da essência?
“Corresponder/atender a pessoa”, ou “contribuir para a pessoa”, ou “um desejo= uma satisfação”, “a satisfação do desejo da outra pessoa é a minha satisfação”, pesquisando estes termos, mas não apenas no sentido das palavras, o que está além delas, o que está acontecendo na verdade entre a relação das pessoas, até que ponto meu conhecer está indo nesse sentido?
Durante o curso me lembrei da faculdade quando morávamos em 10 amigos na república, naquela época a Lúcia trabalhava para a gente cozinhava todos os dias. Foram as mãos delas que cozinharam praticamente todo o alimento que comi naqueles 4 anos. Naquela época pensava “ela está cozinhando porque estamos pagando”. Mas desta vez olhando com mais calma para aquela época e pesquisando, qual foi a força que moveu ela a nos alimentar? Não só ela, mas também minha Mãe e outras pessoas próximas e também pessoas que eu nem conheço.
O que venho recebendo destas pessoas?
Essas pessoas se moverem em relação a quê para fazerem tais coisas?
Atividade de Produção
Até entrar neste curso entendia o objetivo da atividade de produção como sendo exclusivamente produzir coisas/bens. Mas quando olho a partir do ponto de vista “satisfação em contribuir para as pessoas, satisfação em atender as pessoas”, percebo que a partir de produzir coisas pode se satisfazer o coração. É a atividade de produção que satisfaz a mente e as necessidades materiais. Ampliando essa visão para o ponto de vista de manejo/administração da sociedade, amplia o campo de busca da pergunta: “o que quero fazer?”.
Com qual objetivo quero fazer?
Qual a necessidade da sociedade?
Não apenas a satisfação individual, mas tentando conhecer o que a sociedade precisa para ficar economicamente segura e abundante, sinto que amplia a visão sobre a pergunta “o que quero fazer?”
相合う人(aiau hito) 生涯の行跡 (shougai no gyouseki) “não achei a tradução”
No livro apareceu uma frase como “o casamento(encontrar uma pessoa) e o trabalho são o auge da vida”, é mais ou menos a tradução dos termos acima. Ao ler essa frase pensei “na sociedade de hoje praticamente todas pessoas vivem assim”. Se isso for mesmo assim, a essência, o estado da mente nas pessoas está doente, mas ao mesmo tempo parece que existe uma força inconsciente puxando a vida para sua razão natural. Na sociedade atual o estado da mente parece estar se afastando desta razão natural, porém no campo extra mental, na verdade, as pessoas estão nesta razão natural. Será por isso que se diz que “ao se conhecer, poderá se tornar”, feliz/satisfeito/eu verdadeiro, por exemplo. Ao conhecer a verdade e a essência a mente se ajusta a sua razão natural?
Sobre a maneira de seguir os estudos na academia
Todo mês participo uma vez em algum dos cursos do ScienZ. Fiquei pensando como será que consigo me aprofundar mais no conteúdo dos cursos e entender mais o método ScienZ, surgiram algumas ideias:
Por exemplo, antes de entrar no curso lembrar o conteúdo que pesquisei no curso anterior, ler as impressões, pensar qual a relação dos dois cursos, quais suas conexões. É possível pesquisar junto com os outros estudantes sobre o conteúdo do curso a participar usando as informações que saíram no livro 6, qual o objetivo do curso, uma espécie de preparação para o curso. Depois que sair do curso, no dia a dia, quero pegar os temas que desejo aprofundar mais, onde surgiu mais interesse e tentar pesquisar mais junto com os outros estudantes.
0