Meu Naikan

1) Minha motivação de fazer Naikan

Conversando com algumas pessoas que fizeram Nikan surgiu a vontade de fazer também.

  • Algumas pessoas, em especial, falaram coisas que me despertou essa vontade, como: é importante entender de onde em meus pensamentos, me sentir como se eu fosse “formada” pelas pessoas com quem convivo.

  • Outras coisas também me deram vontade de fazer Naikan: ver o Romeu com a mãe depois de Naikan que ele fez no Japão foi incrível… algo parece que mudou dentro dele e uma conversa que tive com Alam onde falei sobre o meus pais estarem com bastante idade e que se eu tivesse a semana toda livre eu achava mais importante estar com eles e o Alam falou para eu fazer Naikan com eles vivos, o jeito como ela falou, a expressão dele também me fez pensar… “Pode ser importante ter tempo para rever alguma coisa com meus pais… Posso perceber algo que posso mudar a tempo.

  • Com a idade avançada, problemas de memória e algumas outras dificuldades que eu estou sentindo relação aos meus pais, senti que era um momento importante para fazer Naikan e ver se mudando algo em mim, mudaria a minha relação com eles

2)Coisas que pensei, percebi e refleti sobre mim ao fazer Naikan

Foram muitas coisas que pensei, percebi e refleti durante o Naikan…
– Percebi o quanto meus pais me apoiam de todas as formas desde a minhas primeiras até agora. Além de um ambiente seguro amoroso de compreensão e tranquilidade (apesar da animação/bagunça/tumulto de uma família grande – cinco filhos). Eles me proporcionaram também a base eu pudesse crescer, me desenvolver, estudar, trabalhar e chegar até aqui. A base de todos os dias de acordar e ter uma mesa com café da manhã, a mãe me recebendo amorosamente e ajustando a sair para escola tempo, o pai levando e pegando na escola diariamente, chegar em casa com mesa de almoço com muitas comidas deliciosas, enfim ficaria dias escrevendo sobre tudo que recebi dos meus pais, mas que hoje percebo o quanto tudo isso foi muito importante… ter essa base segura, estável, amorosa para ir me “formando”. Sinto uma profunda gratidão, felicidade e um amor mais intenso/radiante ao rever ou eu em relação a minha mãe e o meu pai!!

Percebi também que essa “base” eu senti ao longo da minha vida toda mesmo já adulta, em diferentes fases da minha vida.

Quero proporcionar para eles um relacionamento de amorosidade e segurança compreensão e tranquilidade nessa fase da vida!! Já estava fazendo/tentando fazer isso… mas às vezes ficava difícil lidar com essa nova situação/fase da vida onde memória e “razão” ficam diferentes… me sinto pouco diferente, acho que mais renovada, acho que com um novo “olhar” (ainda quero experimentar isso na prática) mas com uma vontade que vem do fundo do coração, misturando com o sentimento de gratidão por esses “pais” que fizeram parte do “eu de hoje”… feliz, etc.

Não sei como vai ser, sinto que é uma fase difícil, mas sinto que tenho uma vida toda muito feliz com eles para alegrar, “ajudar” a viver essa fase da vida com amor, felicidade, segurança, compreensão… Enfim tudo aquilo que recebi nesses quase 50 anos.

  • Com relação aos meus irmãos percebi que tenho afinidades diferentes com cada um deles, como eu vejo, o que representam para mim, o que fazemos juntos… etc… No o último Naikan que fiz em relação a todos os irmãos e eu vi/senti que eu não seria a mesma pessoa sem eles… senti que em mim tem um pouco de todos.

  • Com relação ao Romeu, sinto que com Romeu temos um ambiente de amor, segurança, estabilidade, compreensão e que a partir disso temos uma base para todos… para o dia-a-dia, para ir crescendo um relacionamento amoroso → que esse ambiente cria excedente que alimenta esse amor que acolhe as coisas do dia-a-dia amorosamente = felicidade !!

  • Perto disso da vida cotidiana (lavar a roupa, limpeza) são apenas coisas para serem feitas – não gosto muito de arrumação de casa/armários, etc… mas nesse ambiente que criamos tudo fica mais gostoso.

– Outras coisas que percebi:
– Que consegui lembrar de coisas passadas (a minha memória é ruim – tenho dificuldade natural de lembrar das coisas). Fui reconstruindo minha história, algumas memórias pareciam surgir como algo que se abre do nada, uma coisa acaba trazendo outra… buscar referências para lembrar a ordem das memórias (linha cronológica) achei isso incrível, mágico… conseguir “recuperar” a própria história…que rico!! Achei que era “pessoa que não lembrava mesmo” que não ia conseguir – fiquei com vontade de pensar mais para tentar recuperar alguns “pontos/períodos” em “branco”.

  • Lembrei de pessoas que foram importantes na vida e sentir amor/gratidão por elas, mesmo em situação que atualmente sentia diferente… olhando para toda a história mudou minha percepção sobre algumas pessoas.

  • Refletir sobre percurso da minha vida profissional e senti um certo desperdício ter estudado alguns assuntos que gosto muito mas não trabalho com isso… Foi muito investimento de apoio dos pais (emocional, financeiro, etc.) muito tempo dedicado a coisas que gostei muito e que agora não faço nada com isso, me limitei a dar umas aulas só… Quero voltar a trabalhar estudar/aplicar tudo isso que estudei.

  1. Daqui para frente
    Ver todos o esforço de formação da minha vida, todas as pessoas que contribuíram para isso, principalmente meus pais fazem eu sentir o maior valor por tudo o maior comprometimento e também me sinto com mais força e energia para continuar essa história…

Daqui pra frente:
– Quero continuar aprofundar esse processo
– Quero lembrar de mãos mais coisas
– Quero apoiar meus pais, ajudar o que for preciso amorosamente
– Quero rever meus amigos
– Quero trabalhar com o que acho importante
– Quero “rever” /conversar com pessoas envolvidas sobre algumas coisas que percebi sente durante o processo ( que surgiu/apareceu)
– Quero ficar com mais tempo com Romeu, mais jantar juntos, mais entardeceres, mais jantares, mais conversas, mais viagens, mais tudo… e ir construindo um dia a dia feliz com apoio, cumplicidade, …

Deixe um comentário